segunda-feira, 29 de agosto de 2011

ANAJÁS, o Coração Marajoara




o Coração Marajoara

ANAJÁS dos primitivos habitantes
que habitaram o lindo rio Anajás
é cidade que encanta o visitante
Quem ali passa não esquece jamais

Lugar cativante de vários atrativos
que inspira versos, prosas e canções
ambiente alegre, bastante festivo
é Anajás do rio Anajás, do Mocoões

Lá onde a gente conhece bem de perto
a natureza na própria beleza do ser
ah, você é capaz de ficar boquiaberto
vendo o Sol alegre se pondo, e a nascer

Anajás, centro Marajoara, Interiorano
coração aconchegante é um lugar ideal
pra gente esquecer os estresses urbanos
dos grandes centros de qualquer capital

Sempre cobiçada pelo capital mesquinho
que destrói florestas dos rios e igarapés
Anajás já sai em busca do seu caminho
com suas próprias mãos e próprios pés

Violentada desde o período da borracha
e mais recentemente madeira, palmital
a cidade com dificuldades busca e acha
saída em iniciativas como as do açaizal

Enquanto uma certa casa legislativa
caminha pela via maldita da corrupção
O povo de Anajás toma a iniciativa
de dizer não à predadora devastação

Sem apoio dos ditos Órgãos competentes
o caboclo sumano da região dos Anajás
enfrenta barreiras, mas vai em frente
planta, cria sem métodos artificiais

Mesmo sem recursos, sem financiamentos
esses marajoaras nos dão uma lição
de vida, de fé e muito encorajamento
"sustentabilidade, natural produção"

Lindos Anajaenses, gente que sonha
que trabalha, que realiza, que faz
na lavoura, no Açaizal, na peconha
dando vida aos manos Mocoões, Anajás

E os que vivem das trapaças, sujeiras
nos plenários estaduais ou federais
que busquem ver a dignidade guerreira
do povo carente, mas honesto do Anajás

Praquelas bandas o natural breviário
registra todas as emoções dos corações
que mergulham nas águas dos balneários
que encantam os rios Anajás e Mocoões

Cidade localizada bem no coração da Ilha
e que apesar de carente a sua população
nos comove muito nas lições de partilhas
nunca nega abrigo, sempre estende a mão

Humilde, hospitaleiro, sincero, risonho
o anajaense, super singular, é original
caboclo do Marajó, natural patrimônio
ah, que dificilmente se vê assim igual

Anajás simpática das terras Marajoaras
do Aramã, rio Guajará, Cururu rios teus
da Memória Indígena lá de Itapecoaquara
dos tempos que te chamavas "Menino Deus"

Ah, Menino Deus, Anajás dos Peconheiros
das latas, dos paneiros de cada Açaizal
teu povo ribeirinho, roceiro, canoeiro
é guerreiro, trabalhador e muito legal

Sumano Vento, um eterno companheiro
todo encantado, vive admirando, sim
o Chorinho do teu lindo cancioneiro
o Autodidata  Adamor do Bandolim


Jetro Fagundes
Farinheiro Marajoara





4 comentários:

Reviragita Poesia disse...

Fantástico o seu trabalha.

Anônimo disse...

obrigado meu amigo!!!! gostei de mais!!!!! vc ter falado minha terra!!!!

Anônimo disse...

Belo poema, pena que contrasta com a realidade do município, esquecido por todos, principalmente por seus próprios governantes. Estive lá em 2008 e o que vi e ouvi foi inacreditável.

Moizés disse...

Parabéns pela poesia. Não conheço a cidade, mas meus avós nasceram aí. Abandonada de fato pelas auoridades tanto que o denominam de capital da malária. Mas o povo há de vencer, sempre na busca constante por melhor qualidade de vida